Lutando contra a resistência: começa logo!!!

Bibiana Conversas entre A & B 2 Comentários

O tempo estimado de leitura é de 4 minutos

Eu tenho um problema sério. Na verdade, tenho vários, mas a conversa de hoje é sobre um específico. É uma conversa que já tive com várias amigas, e elas vivem me puxando a orelha por causa dele. Lendo um artigo muito bom, descobri o nome desse problema: resistência. É um problema que me trava em muitas coisas. E só o fato de ter começado a escrever sobre – ha, só o fato de ter lido o artigo! – já é um grande passo a frente.

Lutando contra a resistência: começa logo!!! | bergamotadesign.com Começa logo aquele projeto que tá engavetado no teu cérebro há anos! Ou, como se livrar daquela voz chata que não deixa começar nada. Abaixo a resistência!

Tá, explica a tal resistência

No livro The War of Art, o autor Steven Pressfield descreve a resistência como a voz em nossas cabeças que nos fala pra não fazer algo e nos dá uma razão.
Conhece? Eu sim, sou íntima amiga.
Aquela vozinha chata que diz que não vale a pena começar a escrever um post porque tu já tem que sair pra pegar o filho {como agora}. Ou que diz que não vale a pena começar a limpar a casa porque só vai dar tempo de passar a vassoura. Ou, pior ainda, aquela que diz que não vale a pena começar teu empreendimento porque tu não tem todas as ferramentas adequadas em mãos.

Vozinha chata essa, não?

Pra ter uma ideia, comecei a escrever esse post no início de julho, por algum motivo parei, e só voltei a ele no fim de julho. Literalmente, a partir desse parágrafo, escrevo no dia 29. Tive tempo e oportunidades antes, mas por algum motivo resisti. Vai entender…

A resistência e eu, eu e a resistência

Temos uma relação de longa data, a resistência e eu. Em tudo.

Tem uma foto minha, com dois ou três anos de idade, que mostra meus primeiros momentos de resistência. É noite, uma festa em um pátio qualquer, duas crianças no colo de dois adultos – que não aparecem, mas tu sabe que estão ali -, o menino olha com olhos brilhantes a menina linda – porque sou diva desde cedo -, que o olha com uma cara de nojo, resistindo seus avanços amorosos.

Tem também a vez que não queria de jeito nenhum entrar na piscina “dos grandes” no clube, morrendo de medo daquele gigante desconhecido – apesar de saber nadar, de ter companhia, E de usar bóias.

Ou quando deixei de ir a Bilbao por medo de viajar sozinha – e um mês depois fui a Madri por uma semana, sozinha, me diverti um monte, e foi a primeira de muitas viagens solo por esse mundo afora. Tudo bem que tinha 15 anos, era meu primeiro mês na Espanha, mal falava castelhano, mas igual… Me arrependo até hoje.

E tem os outros milhares de momentos que resisti fazer algo novo, me jogar no desconhecido, por medo ou simples resistência. As milhares de ideias boas que não desenvolvi. Os milhares de posts de blog que não terminei – ainda mais os que não comecei! As centenas de oportunidades de emprego que nem tentei correr atrás por causa da voz chata que não quer calar. Os milhares de amigos que não fiz por medo de começar uma conversa, e por aí vai.

O que me dá muito medo mesmo, acima de tudo isso, acima do desconhecido, é saber que cada vez que ouço a voz da resistência, posso deixar de fazer algo bom, que ajuda alguém. É saber que, se tivesse ouvido a tal da voz da resistência, não teria começado a Bergamota. A possibilidade de voltar a ouvir essa voz me dá mais medo do que o medo que a voz é capaz de fabricar em minha mente. Por isso, sigo.

Como a resistência pode ajudar

Simples: mostra a língua pra essa cretina, diz que ela é boba e feia e que tu não quer mais brincar com ela!

Sério. Manda ela pastar, ou então, melhor ainda, mostra pra cretina que tu é melhor que ela, que tu pode, que tu brilha!

Faz, e faz muito. Faz bem feito, faz direito, faz com o que tem disponível.
Não espera o momento perfeito, o alinhamento das estrelas, o número certo de passarinhos voarem pela tua janela.

FAZ!

E mostra pra resistência quem manda nessa jossa {guasquês pra lugar, dito com tom forte de quem manda no bagulho}!!!

Lutando contra a resistência

Começa. Agora. Começa o blog, começa o empreendimento, começa a cantar. Não interessa se não sabe sobre o que escrever, com o que empreender, como cantar como anjos – ou sem quebrar todos os cristais da casa. Começa!!!!!

E se não der tempo de terminar tudo do jeito que tem que ser, começa igual! Roma não foi construída em um dia, os animais não evoluíram em uma semana, a Estrela da Morte não foi destruída com um tiro.

Não deu tempo de terminar? Salva o trabalho e segue quando pode. A logo não ficou perfeita? E daí!!! Identidade é construída um pouquinho a cada dia.

Segue mesmo assim, manda a resistência às favas, e brilha! Porque, como diz a Diva Marie Forleo, o mundo precisa daquele algo especial que só tu tem!
Segue divando e brilhando!

PS. Tô num ônibus, escrevendo no celular, sem meu computador e meu illustrator pra fazer o gráfico do post. E daí! O gráfico eu faço amanhã, e coloco aqui, e o mundo não acaba. Mas com certeza alguma ideia vem ao mundo porque alguém leu esse post e mandou a resistência catar butiá verde. 😀

Quem ama, compartilha 😉
Quem escreveu

Bibiana

Facebook

Diva mor na Bergamota Design. Designer por formação. Mestranda por opção. Curiosa incurável. Stand up comic nas horas vagas.

Comments 2

  1. Adorei teu texto! É verdade… eu sofro de resistência também! Fico procrastinando e as ideias nunca saem da cabeça… Mas com blogs como o teu eu me motivo a começar! = D

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *