Identidades e bergamotas e outras guasquices

Bibiana Marca & Identidade 2 Comentários

O tempo estimado de leitura é de 6 minutos

Não sei se deu pra perceber, mas perdi meu chamado como comediante stand up. Culpo meu pássaro por nunca ter rido das minhas piadas. Fora isso, nada mais justo que alguém que trata da identidade dos outros também se apresente, não? Então, aqui está uma breve descrição de quem sou eu e porque faço o que faço. E caso não tenha dado pra perceber também, breve no meu vocabulário é um pouco diferente da norma… 

Identidades e bergamotas e outras guasquices | bergamotadesign.com Sobre Bergamota, identidade visual, e outras coisas que todo empreendedor deve pensar. E também sobre a origem da guasquice desta que vos fala.

Mas afinal, quem és tu? {A versão curta}

Sou uma empreendedora criativa que ajuda outros empreendedores criativos a fazer seu conteúdo brilhar.

Tá, mas o que é o tal do brilho? Não envolve purpurina, né?

Não, o brilho não envolve purpurina – a não ser que tu queiras, mas aí a história é outra.

Brilhar é alcançar todo teu potencial, conectar de corpo e alma com quem tu quer conectar {olha a mente podre, hein!), ser autêntico e interessante e gostoso.

Sim, gostoso. Como aquele bolo de chocolate que tu promete que vai comer só um pedacinho, e acaba engolindo inteiro. Como aquela cerveja gelada na beira da praia curtindo o por do sol. Como um abraço gostoso da pessoa amada depois de uma semana longe. Gostoso como aquilo que tu quer sempre, que não cansa, que dá sabor à vida.

Olha só: imagina comer todos os nutrientes e fibras e o que mais for necessário pra um corpo sadio, em uma refeição meio sem graça, sem cor, sem sabor… A gente até faz né, mas eventualmente cansa e dá aquela vontade de encher a cara de bolo de chocolate/ sorvete/ uma lata de leite condensado. Agora, imagina  comer todos os nutrientes etc em uma refeição gostosa, cheia de cores e cheiros e sabores… Aff, não dá vontade de parar nunca!

Então, o brilho é isso. É o sabor da comida de casa, é o calorzinho do sol na pele, o suor no copo de cerveja, a brisa da praia no rosto… O que dá sabor ao teu conteúdo.

Sabor pro conteúdo, entendi… alguém interna essa maluca, pf.

Não sou maluca não! Gente, faz todo sentido do mundo o que tô falando.

É mais ou menos como a batalha Microsoft vs Apple. Sim, os dois fazem a mesma coisa. Os dois são bons. Os dois resolvem o problema. Mas, porém, contudo, todavia…

A Microsoft é aquela couve refogada que a gente come, até gosta, mas principalmente encara porque faz bem. Já a Apple é o suco verde de couve com bergamota e hortelã e uma pitada de mel que não dá vontade de parar de tomar.

E então, tu quer ser a couve refogada ou o suco verde?

Ok, como posso ser o suco verde?

Ah, a pergunta de um milhão de euros {fala sério, o dólar não é mais o que já foi}. Para ser o suco verde do teu nicho de mercado, seja ele qual for, o segredo está em conectar com teu leitor/ usuário/ cliente. E a maneira mais acertada de fazer isso é mostrar quem tu és e a que tu veio da maneira mais rápida e simples e consistente possível. É usar todos os segredos da comunicação a teu favor. É te posicionar e te comunicar como uma marca.

A marca agrega e comunica uma série de características e valores que são únicos àquela empresa, que a diferenciam do resto. Mas não da maneira fria e calculista do milênio passado, falando com todos e, ao mesmo tempo, com ninguém. O segredo do empreendedorismo tá em comunicar de uma maneira autêntica, única, pessoal e intransferível. E a maneira como a marca fala com seu consumidor, como se conecta e comunica, é a identidade.

E o que é a tal identidade que tu fala?

Identidade:
i.den.ti.da.de
sf (lat identitate) 1 Qualidade daquilo que é idêntico. 2 Paridade absoluta. Álg Espécie de equação ou de igualdade cujos membros são identicamente os mesmos, ou igualdade que se verifica para todos os valores da incógnita. 4 Dir Conjunto dos caracteres próprios de uma pessoa, tais como nome, profissão, sexo, impressões digitais, defeitos físicos etc., o qual é considerado exclusivo dela e, consequentemente, considerado, quando ela precisa ser reconhecida. I. pessoal: consciência que uma pessoa tem de si mesma.

Conjunto de características próprias de uma pessoa. Trazendo para a discussão, a identidade é o conjunto de características que definem a empresa/ empreendimento/ profissional. A logo, as cores, os padrões, os elementos, as fotos, até mesmo a maneira de escrever. Tudo isso, junto e misturado, faz a identidade da marca.

Um ótimo exemplo {modéstia à parte} é a Bergamota. Não vou entrar nos pormenores agora (até porque esse post já tá longo), mas presta atenção na minha apresentação:

Comer bergamota no sol é coisa de gaúcho. O famoso lagartear [vulgo pegar sol] embaixo de uma bergamoteira [vulgo pé de tangerina] tomando mate [vulgo chimarrão] é o auge do inverno por esses pagos [vulgo lugares].

Agora tu me pergunta: por que esse monte de guasquice [vulgo – sei lá, não há palavra em português que defina]?

Simples: porque identidade é isso. É assumir quem tu é, e fazer valer.

Eu sou gaúcha, da fronteira, nascida e criada no pampa. É – em grande parte – minha identidade, impossível de tirar, como meu cabelo preto e olhos castanhos e o portunhol que falo.

E é isso que eu faço: te ajudo a reconhecer a identidade do teu projeto e a fazer ela brilhar pro mundo todo.

Não tem lugar nesse país que eu vá e não seja identificada como gaúcha. Não acontece! E mesmo dentro do estado, sou reconhecida pelo meu sotaque como bageense – e não moro lá há mais de 17 anos!!! Então, ao invés de lutar contra, fazer aulas de fonoaudiologia, mudar minha maneira de falar, resolvi abraçar o que é meu, assumir, e fazer brilhar. Sabe que o resultado tem sido muito bom?! Primeiro, não me sinto mais uma impostora tentando escrever nos padrões Globo. Segundo, me divirto muito lembrando guasquice pra apimentar meus posts. Terceiro, tô sendo autêntica, o texto tá fluindo. Quarto, muitas fichas têm caído em relação à identidade visual, marca, propaganda, etc.

Tenho feito conexões que nunca imaginei antes, e meu trabalho tá ficando cada vez mais rico por isso. Basicamente, depois de anos tentando, finalmente encontrei minha identidade como empreendedora.

Mas afinal, quem és tu? {A versão não-tão-longa}

Sou curiosa por natureza, designer por formação, empreendedora por opção. Naturalmente observadora. Ao mesmo tempo tímida e extrovertida. Adoro conhecer o outro, desvendar seus mistérios, contar sua história… Sou daquelas que anda pelo mundo, olhando e observando e catalogando e fotografando tudo.

A identidade sempre me fascinou. Sempre gostei de observar como as pessoas se mostram ao mundo: a escolha da roupa, do cabelo, da casa, do carro, das palavras… Todos esses pequenos detalhes, que separados não parecem nada importantes, pra mim são linhas de um desenho que mostra a cara de quem o fez. Um autorretrato. E, assim como esses pequenos detalhes podem mostrar a cara da pessoa, também podem mostrar a cara de um negócio.

Descobri, meio que por acaso, que essa curiosidade, combinada à todas as coisas aparentemente aleatórias que fiz e estudei e vivi ao longo dos anos, afinaram minha capacidade de reconhecer a identidade do outro e mostra-la ao mundo. Mais especificamente, descobri que posso ajudar empreendedores a mostrar sua cara ao mundo. A traduzir todos seus sonhos e desejos, aqueles pra seu blog, sua empresa, seu empreendimento, em histórias e imagens que podem ser lidas por todos.

Essas histórias viram identidade visual. Logo, cores, fontes, gráficos, fotos, sites, e-books… O que for preciso pra comunicar e conectar com o cliente/ usuário/ amigo. O que for preciso para fazer seu conteúdo brilhar.

Essa sou eu. E tu, quem és?

ps quer saber mais?

Quem ama, compartilha 😉
Quem escreveu

Bibiana

Facebook

Diva mor na Bergamota Design. Designer por formação. Mestranda por opção. Curiosa incurável. Stand up comic nas horas vagas.

Comments 2

  1. que interessante só não entendi o gasquices, pensei que seu nome tivesse Gasques como o meu.

    1. Andrea, o guasquice se refere ao “guasca”, adjetivo que identifica o gaúcho, e identifica também o portunhol, ou dialeto guasca, que falamos. Pode falar também do peão gaúcho, que lida com o gado nos pampas, e não tem os “modos” do homem da cidade – sinônimo de rude, cru, etc.
      Fui procurar {curiosa que só} e descobri que Guasca também é um município na Colômbia, e também uma erva, originária do Peru, e muito usada na culinária colombiana. É também uma comuna francesa.
      Já o sobrenome Guasque, ou Guasques, tem origem espanhola, e aí termina minha pesquisa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *